janeiro 22, 2009

o lixo e o luxo

Como seria nesse país se de repente não houvesse mais lixo para ajuntar? Certamente haveria um problema social, muita gente limpa não sujaria as mãos; mas também muita gente suja não aguentaria viver num país limpo. Muita gente se revelaria se a lata de lixo do Congresso fosse para o lixo.

outubro 24, 2008

Apocalip-se



A maior crise econômica da história traz em si um momento rico para meditação com a pergunta que não quer calar: isto já é o apocalipse?

O mundo se prepara para grande mudanças políticas que podem nos levar a um redirecionamento dos seus valores globais. Países ricos darão lugar a outros em ascenção que assumirão poderes favorecendo uma nova visão geopolítica e com consequências muito fortes nos comportamentos sociais mundo afora.

Nada disto porém trará a solução para a humanidade, a Paz mundial, tão almejada pelos humanos e tão prometida pelas ideologias ainda em voga.

O que virá depois depois deste cataclisma econômico ninguén pode prever. Sabe-se no entanto, pela Bíblia que no fim dos tempos haverá grande tribulação; que as pessoas desmaiarão só em tomar conhecimento das coisas que vão acontecer; que se levantará um homem com grandes poderes políticos e religiosos e com capacidade incrível de atrair as massas; este fará com os homens cheguem a um acordo de paz e as pessoas o elegerão como um deus. Ele também trará uma solução econômica para o mundo pós-moderno que as pessoas ficarão de queixo caído; uma nova moeda, sem papel, sem níqueis, sem cartões de plástico, mas com um código altamente seguro cravado na testa ou na mão direita das pessoas dando-lhes o direito de comprar e vender. Os que rejeitarem serão mortos.(Apocalipse de João)

Este será o AntiCristo e virá em nome de satanás para enganar, nele estará o espírito da mentira, mas o mesmo realizará muitos sinais e prodígios que enganarão a muitos.

O momento em que vivemos é crítico mas é preciso ficar em alerta. Quando disserem: 'Paz, Paz, haverá repentina destruição', (Paulo, o Apóstolo)

Leia a Bíblia e preste atenção nos acontecimentos.

setembro 15, 2008

Aindé-pendência e morte

agosto 29, 2008

Malandragem


Eu acabei de votar - deu certo (a atendente me perguntou de que maneira eu tinha sabido da votação - este país é uma piada mesmo).- PELA INTERNET Gente, isso é sério!CANCELAMENTO DA TAXA TELEFÔNICA de: R$ 40,37 (residencial) e R$56,08(comercial)Quando se trata do interesse da população, nada é divulgado.
Ligue 0800-619619 e selecione a opção 1.
Espere para falar com um atendente.Diga que é para votar a favor do cancelamento da taxa de telefone fixo.O Projeto de Lei é o de nº 5476.Eles não sabem até quando vai à votação. INTERESSE DE TODOS: cancelar a taxa do telefone.Esse tipo de assunto NÃO é veiculado na TV ou no rádio, porque eles não têm interesse e não estão preocupados com isso.Então temos de correr atrás, afinal quem paga somos nós!O telefone a ser discado (0800-619619, de segunda à sexta-feira das 8 h às 20h) é da Câmara dos Deputados Federais.Ligue para mudar esta situação.Passe para frente esta mensagem para o maior número possível de conhecidos e amigos.Não pague mais assinatura telefone fixo.Será uma economia muito grande no final do ano.
LIGUE: 0800-619619.
Vamos divulgar!!Entrando em vigor esta lei, você só pagará pelas ligações efetuadas, acabando com esse roubo que é a assinatura mensal.Este projeto está tramitando na 'COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR' na Câmara.Quantos mais ligarem, maior a chance de acabar com mais esse absurdo.Vamos lutar para que este projeto seja aprovado. É o nosso dever!!

agosto 19, 2008

A angústia de andar na lei numa sociedade sem lei


"Pelo que o direito se retirou, e a justiça se pôs de longe; porque a verdade anda tropeçando pelas praças, e a retidão não pode entrar. Sim, a verdade sumiu, e quem se desvia do mal é tratado como presa. O SENHOR viu isso e desaprovou o não haver justiça." Profeta Isaias


A sensação que temos muitas vezes é a de que pelo fato de muitos viverem à margem da Lei, nós não venceremos, mas acabaremos reduzidos a uma minoria insignificante que atrapalha o 'desenvolvimento,' defendendo preceitos antiquados.

Chegamos ao ponto de não confiarmos mais nas instituições; então começamos a buscar dentro destas, pessoas em quem confiamos para nos apoiarmos e derramar sobre elas nossas reclamações, e assim as tratamos como sendo as verdadeiras instituições.

Temos medo de buscar nossos direitos porque não confiamos nas ouvidorias; tememos acionar os mecanismos legais porque não sabemos quem está realmente por trás e acima ou no lugar do Estado.

É questionável por exemplo, o papel desempenhado por grandes empresas privadas, que instalam suas tendas aos lados dos Tribunais de Justiça com o suposto objetivo de atender ao povo. Ora, se é assim, porque esse atendimento não é feito no momento em que são feitos os contratos; sairia bem mais em conta para as ditas Companhias; afinal são sempre elas que não cumprem suas próprias regras escritas com letras bem miudinhas.

Assim abre-se caminho, sob o manto da Justiça, para que outras entidades façam o mesmo como está já acontecendo com os planos odontológicos e outras empresas. Eles descobriram o segredo, e é fácil: primeiro você monta uma mídia de 1º mundo e depois contrata um exército de bonecos-de-ventríloquos para seduzirem as pessoas a fazerem 'contrato por telefone' mandando a conta eletrônica quase imediatamente para o cidadão enquanto os serviços nunca vão acontecer como o prometido. O resto você já sabe: são reclamações, prejuízos, cancelamentos, multas e aborrecimentos para o cidadão,

Sejamos sinceros, se um cidadão comum se metesse a besta a fazer tal coisa, seria logo denunciado, sua imagem sairia no programa policial e ele seria preso, mas quem não é povo pode fazer isto e muito mais, porque o braço da justiça não consegue alcançar determinados setores da sociedade.

É disso que estamos com medo; são coisas escabrosas como estas, que assistimos todos os dias que nos deixam angustiados. São perguntas que nunca são respondidas. Como na época do Profeta Isaías, o direito se retirou e a verdade sumiu. Cadê a Justiça?

Estaremos perto ou longe de uma solução para esses graves problemas sociais. Porque ninguém se pronuncia contra estas coisas? a quem recorrer? Onde estão os órgãos oficiais que existem para fazer valer o direito da população? E os políticos da hora porque não falam disso? A sensação do povo é de insegurança, impotência e revolta. Não parecemos um país democrático. A propósito, tem alguma autoridade nos ouvindo? Socorro.

março 28, 2008

Quase Duzentos esTAM mortos

Se em teu formoso céu risonho e límpido, aviões sem manutenção transitam perigosamente, Aqui em baixo os filhos deste solo brigam com funcionários de faces plácidas pelos primeiros lugares nessas naves que desafiam a própria morte.

Um sonho intenso dormem passageiros de todas as idades nos pisos dos aeroportos até que o sol da liberdade brilhe no céu da pátria num instante.

Outros, andando e telefonando de um lado para outro, tentam, com braço forte, ser ouvidos nos balcões aos brados retumbantes.

Paz no futuro é o que prometem autoridades do governo e
sistema aeroviário, enquanto a população relembra com saudades a glória no passado esperando que algum dia um filho seu que não foge à luta erga a clava forte da justiça com autoridade.

As empresas aéreas brasileiras, gigantes por sua própria natureza, precisam voar menos para aprenderem a diferença entre passageiro e passagem, e a não fazerem desta, o penhor dessa igualdade.

Até que chegue esse dia teremos a triste imagem de quase DUZENTOS cruzeiros que resplandecem nos céus de nossa Pátria amada e idolatrada.

Salve, Salve, depressa.



AbimaEL

perve CIDADE

No turbilhão da cidade
O epicentro do máu
Um açalto na farmácia,
Nas pessoas vi-olência
Todo mundo se droggano
Nem todo mundo se culpa
A droggaria alivia
E o vagabundo alicia
Liberdade assustada,
Liberdade bagunssada.

San duixe Americanu,
O dólar Atrapalhano.
Celulares dirigino
avenidas de din-êro.
Sensores pra perseguir
as fila de motorista
Importado num se importa
cum a fome nacional.
Liberdade nunca tarde
Liberdade vai naiscer

Evangélicos na mídia
O demônio não TiVê
Jezuis é qui acridita
naisch pessôa do ashfalto.
Vendedores que assaltam
Uzouvido do povão
O minino Semvergonha
Que trabalha no sinal
Liberdade é-qui-distante
Liberdade escravizada

A pulícia e o malândru
no cinema da famílha
O bandido corre mais
O soldado num tem jeito
Porque sempre corre atrás.
O país tem muito jogo
Escola num cabe todos
Cadeia num cabe mais
A liberdade é saber
A liberdade vai vai ver


Abima-EL

Pobrevivendo

cliente comprando,
vendedor competindo,
miserável pedindo,
malandragem aplicando,

devedores pagando
pagadores devendo
especuladores torcendo
agiotas emprestando

apostador estimando
investidores agindo
bancos extorquindo
financeiras abusando

trabalhadores quitando
patrões exigindo
salários sumindo
mulherada gastando

supermercado aumentando
atacadista retendo
camelô concorrendo
dona de casa pesquisando

haeckers imaginando
internet vendendo
banqueiros obtendo
povaréu apostando

empresários faturando
seguradoras recebendo
telefônicas querendo
imposto de renda tomando

plano de saúde enganando
aposentadoria reduzindo
poder de compra caindo
velhinhos esperando

economista calculando
brasileiro falindo
presidente traindo
meia dúzia lucrando

ricos acumulando
multinacional enriquecendo
amigos se escondendo
políticos desviando

turista humilhando
hotéis oferecendo
adolescente se vendendo
cafetina explorando

traficantes lavando
classe média cedendo
todo-mundo tá vendo
violência pipocando

população alisando
juro alto consumindo
autoridade permitindo
serasa assombrando

contratos amarrando
o povo num tá lendo
cartão de crédito comendo
prestadoras levando

funerária ganhando
dignidade morrendo
enfermidade sofrendo
hospital aproveitando

governo se lixando
todo-mundo perdendo
igrejas se fazendo
Deus observando

novembro 25, 2007

vida frágil


A raça humana é como a erva dos telhados que nasce de manhã e à tarde murcha e seca
Isaías

outubro 19, 2007

sem saída



0. sou capaz de ficar imóvel por 24h esperando a vítima;
1. quanto mais rápido for a vítima, mais ela correrá prá mim;
2. sou extremamente frio e calculista;
3. ataco sempre quando a vítima está distraída;
4. meu método infalível: vigilância total
5. posiciono-me sempre 2m acima da vítima
6. meu golpe é sempre depois que a pessoa passa;
7. uso cores leves pra não chamar a atenção
8. às vezes fico detrás de postes ou em lugares bem discretos
9. sou cruel; ás vezes tomo o carro velho de um pobre
10.meu olhar é rápido e letal
11.não me denuncie, tenho proteção de autoridades

outubro 17, 2007


Um país lindo com políticos horríveis;
um país rico e muitos homens pobres;
um país grande e de líderes pequenos;
um país de Paz e cheio de violências;
Um país saudável sem saúde pública;
um país de diplomas sem Educação

setembro 06, 2007

Profecia


"Os carros andam furiosamente nas ruas; cruzam as praças em todas as direções; parecem como tochas, e correm como os relampagos."

Cidade de Nínive
Profeta Naum

julho 24, 2007

Homenagem ao Ancião



C h e g a da ..


Inspirado no Livro de Eclesiastes, cap.12



Meu caminho desembarca o tempo
Meu recordar atrasa o calendário
Meus relógios estão adormec-idos
Prá dominar minha veloc-idade

Meu remédio escra-visa a saúde
Meu di-vagar acidenta o tráfego
Meus aviões estão envelhec-idos
Prá algemar a minha vaidade

Meu coração prece-pita na curva
Meu alegrar interdita o baile
Meus atletas estão desvanec-idos
Prá derrotar a minha primazia

Meu feriado desconstrói a má-quina
Meu silenciar inquieta a cidade
Meus decibéis estão ensurdec-idos
Prá libertar a minha multidão

Meu habitat permanece no- turno
Meu observar embaça o uni-verso
Meus candelabros estão enfraquec-idos
Prá iluminar minha visão de DEUS



Abima-EL

julho 11, 2007

desespero

"Dai voltas às ruas da Cidade, e vede agora, e informai- vos, e buscai pelas
suas
praças a ver se podeis achar um homem, se há alguém que pratique a
justiça, que
busque a verdade; e eu lhe perdoarei a
ela".


Jeremias 628 AC




Sinal Vermelho


No vermelho do sinal
O olhar do desigual
Fotografa o doblô
Imagino a pulícia
Toda aquela imundícia
E eu cum cara de atô

No vermelho do sinal
Como aquilo me fáiz mal
Afinal eu sô dotô
Toda vez tem um minino
Fecho logo os quatro pino
E a esmola eu num dô

No vermelho do sinal
Tá se tornando normau
Acontecê um horrô
Tântu fáiz o impresário
como a vovó de rosário
O negócio isculhambô

No vermelho do sinal
Aprendí a pensá mau
A não ouvir o clamô
De gente que tá cum fômi
Que fáish tudo pá sê ômi
Mais ninguém lhe dá valô

No vermelho do sinal
A mãe amostra o mingáu
Ou as criança cum dô
Ás vez é incenação
Dá uma raiva du cão
Lhe fazê algum favô

No vermelho do sinal
Já se ispera o fatal
Dependend-de ôndi eu tô
É tanta inseguransa
Arma na mão de criança
E num se prende o autô


Abima-EL



abril vermelho













Abima-EL